quarta-feira, 29 de julho de 2015

Psicologia e Tortura: uma perigosa relação

A Psicologia esteve e ainda está em grande evidência nos Estados Unidos nas últimas semanas. O motivo, infelizmente, não é nada positivo ou nobre. Tudo começou em 2014 quando o jornalista do New York Times James Risen publicou o livro "Pay Any Price: Greed, Power, and Endless War" [Pagando qualquer preço: ganância, poder e uma guerra sem fim], no qual acusava a Associação Psicológica Americana (American Psychological Association/APA), principal entidade representativa dos psicólogos norte-americanos, de contribuir com a tortura de prisioneiros políticos durante o governo Bush. Na época, a APA negou tal acusação, publicando uma nota explicativa em seu site. No entanto, a diretoria executiva da associação encomendou uma investigação independente para averiguar possíveis ligações de seus diretores e associados (cerca de 130 mil) com políticas e práticas de tortura - o que é proibido pelo código de ética da APA. Cabe ressaltar que tal proibição foi "flexibilizada" em 2005, quando a associação permitiu que psicólogos atuassem como "consultores" em interrogatórios, ou melhor, em "processos de coleta de informações relacionados com a segurança nacional".

A investigação, conduzida pelo promotor David Hoffman, foi concluída este mês com a publicação de um relatório de 542 páginas, que já vem sendo chamado de "Relatório Hoffman", cuja conclusão vai de encontro às expectativas da APA. De fato, o que o relatório expõe é que tanto dirigentes da APA (com destaque para o diretor do Departamento de Ética da entidade, Stephen Behnke) quanto diversos associados trabalharam ativamente junto a funcionários do Departamento de Defesa (DoD), do Pentágono e da CIA com o objetivo de legitimar ou facilitar a tortura de detidos políticos durante o governo Bush. Esta "facilitação" teria envolvido tanto a emissão de orientações éticas que endossaram a política de interrogatórios elaborada pelo DoD quanto a participação direta de psicólogos em "interrogatórios severos" (leia-se: tortura) na Baia de Guantânamo, em Abu-Ghrabi e em outros lugares. 

Como aponta o relatório, as agências do Governo "queriam, alegadamente, diretrizes de ética permissivas, para que os seus psicólogos pudessem continuar a participar em técnicas de interrogatório severas e abusivas, usadas por estas agências depois dos ataques de 11 de setembro". O documento aponta também que "o principal motivo da APA para agir desta maneira foi garantir favores do departamento de Defesa. Mas houve outros dois importantes motivos: criar uma boa resposta de relações públicas e manter o ilimitado crescimento da psicologia nesse âmbito". É interessante constatar, neste sentido, que, como aponta esta reportagem, cerca de 7% dos psicólogos associados à APA - ou seja, quase 10 mil profissionais - trabalham para o Departamento de Defesa dos EUA seja como clínicos, no atendimento aos veteranos de guerra, seja como investigadores - e mesmo interrogadores. 

Em resposta a este relatório, a APA afirmou que irá rever as suas políticas e proibiu seus psicológicos de participarem diretamente em interrogatórios. Além disso destituiu diversos diretores, dentre eles Stephen Behnke, considerado o “chefe” da conspiração entre a APA, o Pentágono e a CIA. Outros foram aposentados compulsoriamente, como o diretor executivo da APA, Norman Anderson, o subdiretor executivo, Michael Honaker e a chefe de comunicações, Rhea Farberman. A psicóloga e ex-presidente da APA, Nadine Kaslow, que coordenou a comissão investigadora independente, afirmou ainda: "O propósito da organização não foi permitir que fossem aplicados métodos abusivos de interrogatórios ou contribuir para violar os direitos humanos, mas estes foram os resultados". E emendou: "Lamentamos profundamente, e pedimos perdão pela conduta e as consequências que teve". Importante salientar que não é de hoje que psicólogos - teoricamente profissionais dedicados à saúde e ao bem-estar da população - se envolvem em atividades escusas e imorais.

No livro Ministério do Silêncio, o jornalista Lucas Figueiredo, aponta que muitos psicólogos brasileiros contribuíram, durante a ditadura militar brasileira, no treinamento de agentes do Sistema Brasileiro de Inteligência (SNI, hoje Abin) que espionavam e entregavam indivíduos supostamente subversivos para o DOI-CODI (órgão repressor do exército). Muitos destes corajosos rebeldes foram torturados e vários mortos. E nós demos a nossa contribuição para isso... E é triste constatar que ainda hoje, diversos psicólogos (e pior: a própria associação dos psicólogos!) estejam envolvidos em atividades escusas como essas. Espero que este escândalo envolvendo a APA contribua para o afastamento definitivo dos psicólogos de tais atividades e também para que o conhecimento psicológico seja utilizado para ajudar e nunca para prejudicar ou torturar qualquer ser humano.

terça-feira, 28 de julho de 2015

A crise da psiquiatria contemporânea e o poder das psicoterapias

Segundo o psiquiatra Richard Friedman, no excelente artigo "Psychiatry’s Identity Crisis", publicado pelo New York Times no último dia 17 de Julho, a psiquiatria contemporânea se encontra em uma crise - mais uma, dentre tantas pelas quais passou desde sua criação no século XIX. Segundo Friedman, ao mesmo tempo que as pesquisas em neurociência não trouxeram qualquer retorno significativo para a prática clínica em psiquiatria, como muitos esperavam, os medicamentos (base do tratamento psiquiátrico moderno) evoluíram muito pouco desde as décadas de 50 e 60, quando os primeiros remédios psiquiátricos foram lançados, e continuam tendo como alvo os mesmos receptores e neurotransmissores no cérebro que seus precursores (certamente os medicamentos modernos geram menos efeitos colaterais que os mais antigos, no entanto, seus efeitos "positivos" continuam basicamente os mesmos, a despeito do que diz a indústria farmacêutica). Ou seja, a esperança de que as pesquisas iniciadas na "década do cérebro" resultassem em consideráveis avanços para a clínica não se concretizou. Mesmo terapias biológicas modernas como a Estimulação Magnética Transcraniana tem mostrado efetividade limitada - além disso, trata-se de um método invasivo sobre o qual pouco se sabe a respeito de sua segurança a longo prazo.

Uma possível saída para este impasse passaria, surpreendentemente, por um retorno às psicoterapias. Segundo Friedman, inúmeros estudos tem apontado para o tratamento psicoterápico como sendo tão eficaz quanto as medicações psicotrópicas para os transtornos psiquiátricos comuns, como depressão e ansiedade. Além disso, segundo o autor, a maioria dos norte-americanos prefere, claramente, psicoterapia do que medicação - de acordo uma meta-análise realizada pelo pesquisador R. Kathryn McHugh e seus colaboradores, os pacientes pesquisados eram três vezes mais propensos a preferir psicoterapia do que drogas psicotrópicas. Friedman aponta, no entanto, que apesar de uma maior preferência geral, as pessoas tem se dedicado cada vez menos aos tratamentos psicoterápicos em função de seus elevados custos e da baixa disponibilidade de profissionais nos ambulatórios (pelo menos nos Estados Unidos). Ao mesmo tempo, o uso de medicações psiquiátricas tem aumentado consideravelmente ao longo dos anos, o que aponta para um abismo entre o tratamento que as pessoas desejam ter e aquele que, de fato, possuem condições de arcar. 

Finalmente, aponta Friedman, muitos dos pacientes que chegam os consultórios psiquiátricos possuem um histórico de trauma, abuso sexual, pobreza ou privação, problemas para os quais não há qualquer solução biológica possível. Da mesma forma, questiona o psiquiatra, seria equivocado conceber problemas como a depressão e a ansiedade meramente como problemas cerebrais passíveis de intervenção medicamentosa. Segundo ele. "o fato de todos os sentimentos, pensamentos e comportamentos necessitarem da atividade do cérebro para acontecer não significa que a única ou a melhor forma de mudá-los - ou entendê-los - é com a medicina". Isto significa que nem sempre os transtornos psiquiátricos podem ser adequadamente tratados com terapia biológica. Os transtornos de personalidade, por exemplo, seriam geralmente pouco responsivos a medicações psicotrópicas, mas muito tratáveis com vários tipos de psicoterapia. Segundo Friedman, "muitas vezes não existe nenhum substituto para a auto-compreensão que vem com a terapia". Um psiquiatra, certamente, pode melhorar consideravelmente o humor e diminuir a frequência e a intensidade de quadros psicóticos de seus pacientes prescrevendo determinadas medicações. No entanto, como aponta Friedman, "não existe uma pílula - e provavelmente nunca existirá - para quaisquer dos problemas emocionais dolorosos e perturbadores a que estamos sujeitos, como raiva narcisista e ambivalência paralisante, para citar apenas dois". E é neste sentido que o autor finaliza seu texto dizendo que ainda que ele próprio seja extremamente favorável à pesquisa neurocientífica e acredite que entender o cérebro possa contribuir para o entendimento dos transtornos mentais, "nós somos mais do que um cérebro em um frasco. Basta perguntar a qualquer um que tenha se beneficiado de uma psicoterapia". 

segunda-feira, 27 de julho de 2015

"Desemprego de colarinho-branco" e o declínio do sonho americano

Simplesmente sensacional o livro "Desemprego de colarinho-branco: a inútil busca do sucesso profissional", escrito pela ensaísta/ jornalista/ feminista/ socialista Barbara Ehrenreich. Trata-se de uma crítica mordaz e avassaladora tanto da ilusão do sonho americano de que o sucesso é consequência inevitável do trabalho árduo, quanto da cultura individualista do "pensamento positivo" disseminada por terapeutas, gurus e coaches de todo tipo, segundo a qual para conseguir o que se quer basta acreditar e pensar positivo (e caso não consiga, lembre-se: a culpa é exclusivamente sua). Ehrenreich, autora de inúmeros outros livros de critica social, já havia tratado do tema do pensamento positivo na sua memorável e demolidora obra "Sorria: como a promoção incansável do pensamento positivo enfraqueceu a América", publicada há pouco tempo no Brasil, só que desta vez seu foco é outro. 

Em "Desemprego de colarinho-branco", Ehrenreich finge, por cerca de um ano, ser uma profissional de Relações Públicas desempregada - ou melhor, "em transição" - e, portanto, em busca de algum emprego razoável em uma empresa razoável. Para conseguir tal objetivo, a autora se infiltra no mundo dos desempregados de colarinho-branco, ou seja, daqueles profissionais que possuíam bons salários, se dedicaram por anos a fio a uma empresa e, de uma hora para outra se viram desempregados (como afirma a autora, a lealdade cobrada dos funcionários, muitas vezes não é retribuída pela empresa). Para conhecer esse mundo, a autora se aventura pelo bizarro universo dos coaches, dos orientadores de carreira, dos gurus do pensamento positivo, dos pregadores da teologia da prosperidade e, no meio do caminho, conversa com dezenas de pessoas desempregadas que, a despeito de todo o sofrimento e dificuldade que passam por estarem sem emprego e endividadas, eram forçadas ou, pelo menos sugestionadas, a se manterem em contínuo estado de pensamento positivo, de "pró-atividade", "de atitude vitoriosa" e de "paixão" - caso queiram ser contratadas por alguma empresa, obviamente. 

A conclusão da autora, após uma complexa jornada pelo mundo corporativo, é desanimadora: o sonho americano não passa de um sonho. Como afirma na conclusão do livro, "se alguém pode dar um testemunho confiável do declínio do sonho americano, esse alguém é o colarinho-branco desempregado - as pessoas que 'seguiram as regras', fizeram 'tudo certinho' e, mesmo assim, terminaram arruinadas". Mas sua conclusão não é simplesmente pessimista. Segundo Ehrenreich, é imperativa a união dos desempregados norte-americanos em prol de lutas comuns como o aumento do seguro-desemprego, e a cobertura universal do seguro saúde. Segundo a autora, no genial último parágrafo do livro, é necessária 

"uma mudança psicológica, para dar o salto da solidão desesperada para a ação coletiva. Mas este não é o tipo de transformação imaginada pelos orientadores de carreira. Os desempregados e empregados intranquilos precisam não de 'simpatia', mas da capacidade real de estender a mão para os outros e envolvê-los em um projeto comum, que inclua,idealmente, outros muito diferentes, como os trabalhadores de baixa renda cronicamente estressados. Eles não precisam de uma 'atitude vitoriosa', mas de uma qualidade mais profunda e mais antiga, uma que nunca ouvi ser mencionada em minha procura por emprego, que é coragem: a coragem de se unir e lutar pela mudança, mesmo diante de uma avassaladora desvantagem".

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Sobre o novo livro do Dr. Yalom: Criaturas de um dia

Maravilhoso o livro novo do escritor e psicoterapeuta Irvin Yalom, "Criaturas de um dia", recém-lançado pela editora Agir. Se você não leu nada do escritor até hoje, está é uma ótima oportunidade para adentrar em sua obra. Agora, se você, como eu, já ama os livros (e a pessoa) do Yalom, então eu aposto que você não vai se decepcionar. Na mesma linhagem de outros livros sensacionais como Mamãe e o sentido da vida, O carrasco do amor e De frente para o sol - e dialogando também com Desafios da terapia - "Criaturas de um dia" traz dez maravilhosas histórias de terapia. São histórias simples porém profundas, contadas com sua honestidade e sensibilidade particulares - que transparecem mesmo em seus romances (para constatar basta ler Quando Nietzsche chorou, A cura de Shoppenhauer ou Mentiras no divã). Sério, ainda está para nascer um escritor com o talento de Yalom para retratar a profundidade que é o processo psicoterapêutico. Ninguém faz isso como ele. Alguns tentam, como faz o argentino Gabriel Rolón com relativo sucesso (recomendo, neste sentido, seus livros Palavras cruzadas e Histórias de divã), mas poucos possuem a sensibilidade, e mesmo a humanidade, de Yalom. 

Em seu novo livro, o autor, atualmente com 86 anos, traz à tona, como já havia feito no maravilhoso De frente para o sol, o tema da morte. Contemplando a própria morte e a de seus pacientes - vários portadores de doenças terminais - o autor faz uma profunda e necessária reflexão sobre a vida. O próprio título do livro trata desta questão e se refere a um trecho das Meditações de Marco Aurélio que afirma o seguinte: 

"Somos criaturas de um dia, tanto os que lembram quanto os que são lembrados. 
Tudo é efêmero, tanto a lembrança quanto o objeto da lembrança.
Em breve você terá esquecido o mundo e o mundo o terá esquecido. 
Nunca esqueça que logo você não será ninguém nem estará em lugar nenhum". 

As histórias retratadas no livro são protagonizadas, em grande parte, por indivíduos que se encontram em profundos dilemas na vida, alguns relacionados à proximidade com a morte. É difícil não se identificar. Mas o autor não se limita a reproduzir o diálogo entre paciente e terapeuta, oferecendo ainda preciosas dicas e reflexões para terapeutas. Em certo momento, refletindo sobre a impossibilidade de se descobrir como uma terapia funciona, Yalom afirma: 

"Nós, terapeutas, lutamos intensamente pela precisão em nosso trabalho e aspiramos a ser empiristas bem-afinados, tentando oferecer soluções precisas para elementos rompidos no histórico afetivo de nossos pacientes ou em sequências de DNA. No entanto, as realidades de nosso trabalho não se enquadram nesse modelo e com frequência, vemo-nos improvisando à medida em que nós e nossos pacientes tropeçamos juntos na jornada rumo à recuperação. Eu costumava me abater com isso, mas agora, nos meus anos dourados, assobio baixinho para mim enquanto me maravilho com as complexidades e a imprevisibilidade do pensamento e da conduta humana". 

Em outro momento, faz outra declaração com a qual eu concordo 100%: 

"Durante minha formação como analista, muitas vezes achei as categorias oficiais de diagnóstico problemáticas. Em estudos de casos, muitos dos consultores discordavam do diagnóstico apropriado do paciente e acabei percebendo que as discordâncias geralmente advinham não de erros médicos, mas de problemas intrínsecos à atividade do diagnóstico. Durante minha gestão como chefe da enfermaria do Hospital de Stanford, eu dependia do diagnóstico para tomar decisões sobre o tratamento farmacológico mais eficaz. mas em meu consultório de psicoterapia, nos últimos 40 anos, com pacientes com transtornos menos graves, passei a julgar o processo diagnóstico irrelevante e a acreditar que as condições por que nós precisamos passar para atender às exigências de diagnósticos precisos dos planos de saúde são prejudiciais ao terapeuta e ao paciente. No procedimento diagnóstico, não somos fiéis a realidade. As categorias de diagnóstico são inventadas e arbitrárias, são produto do voto de comissões e passam por profundas revisões a cada década"

No epílogo, Yalom complementa esta declaração fazendo uma pertinente crítica às formações atuais em psicoterapia nos EUA, que privilegiam abordagens empiristas (como a Terapia Cognitivo-Comportamental) em detrimento de abordagens humanísticas. Apesar de ter como norte na minha prática clínica a TCC, não tenho como discordar de suas críticas. Diz Yalom: 

"A maioria dos cursos de treinamento atuais - geralmente sob pressão de conselhos ou planos de saúde - oferece instrução apenas para terapias breves 'de base empírica' que consistem de técnicas específicas abordando categorias de diagnósticos distintas, como depressão, transtornos alimentares, ataques de pânico, transtorno bipolar, vícios ou fobias específicas. Temo que o foco atual na educação acabe resultando em perder de vista a pessoa integral e que a abordagem humanística que usei com esses dez pacientes logo venha a se extinguir. Embora os estudos sobre a psicoterapia eficaz constantemente mostrem que o fator mais importante determinando o resultado é o relacionamento terapêutico, a textura, a criação e a evolução desse relacionamento, raramente são o foco de treinamento em cursos de graduação". 

Uma pena realmente, mas não se preocupe Dr. Yalom. O senhor pode não ter lá muitos anos pela frente (vai saber, né?) mas suas palavras ficarão e ainda inspirarão muitas pessoas - dentre as quais muitos psicólogos e psicoterapeutas. Embora a "abordagem humanística" a que o senhor se refere - ou seja, aquela que leva em conta o sujeito como um todo e não somente o seus (supostos) transtornos - venha perdendo cada vez mais terreno, sempre haverão, acredito, psicoterapeutas rebeldes que não aceitarão o papel de meros técnicos aplicadores de manuais de tratamento. Creio que o entendimento da terapia como um espaço de criação de uma relação autêntica entre terapeuta e paciente ainda terá lugar, mesmo em um mundo dominado por abordagens empiristas e farmacológicas. O motivo é simples: as pessoas precisam, assim como sempre precisaram e precisarão, de relações e trocas humanas autênticas. É por isso que mesmo diante de todas as possibilidades farmacológicas disponíveis atualmente, as pessoas ainda procuram psicólogos e psicanalistas para lidarem com seus problemas e dilemas.

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Está faltando ciência à Educação?

Na semana passada li uma entrevista com a Viviane Senna para a Folha de São Paulo cuja manchete reproduzia uma fala dela: "Educação é baseada em achismos, não em ciência". Gostaria de tecer alguns comentários sobre esta entrevista - que você pode conferir, na íntegra, aqui. Mas antes, uma propaganda. Meu livro, que ainda está em processo de edição, virá em uma boa hora - ele deverá ser lançado, espero, no próximo semestre. Para quem não sabe, ele se chamará "O cérebro vai à escola": aproximações entre Neurociências e Educação no Brasil e foi baseado em minha dissertação de mestrado, defendida em 2012 na UERJ. Pois ele trata justamente - e de uma forma crítica - da questão da aproximação da educação com o campo científico, ou da busca por uma educação baseada em evidências - busca esta que tem se tornado cada vez mais ativa. Só para se ter uma ideia, há pouco tempo foi criada a Rede Nacional de Ciência para a Educação e em julho ocorrerá no Rio de Janeiro um simpósio internacional sobre o assunto, o Internacional Symposium on Science for education. Tudo isto aponta para um grande interesse sobre esta questão. Pois meu livro, que trata da aproximação entre os campos educacional e neurocientífico, busca problematizar justamente esta visão, defendida pela Viviane Senna e por outros, de que está faltando ciência à educação, como se o principal motivo para os problemas na educação atual fosse a falta de embasamento científico. Certamente acredito que a ciência pode contribuir para o desenvolvimento das práticas e políticas educacionais, o que não significa que é a ciência que salvará a educação. Como aponto na conclusão do livro: "consideramos prudente permanecer entre os extremos do neuroceticismo e do neuroentusiasmo compreendendo que o campo neurocientífico, ainda que possa gerar conhecimentos relevantes para a Educação, não é capaz, sozinho, de explicar a aprendizagem e suas dificuldades e muito menos de resolver os inúmeros problemas e desafios do campo educacional". O mesmo vale, creio, para o campo científico de uma forma geral. Ele pode contribuir? Certamente. Mas o conhecimento científico não é o único que deve ser levado em consideração. Outros conhecimentos, chamados neste caso de "achismos" - mas que poderíamos chamar de conhecimentos tácitos -, também podem contribuir para o desenvolvimento de novas políticas e práticas. Endeusar a ciência, como se ela fosse uma panacéia para todos os problemas do mundo, não é o caminho. Pelo menos, não o caminho que eu acredito.

Certamente concordo que o ensino pode e deve ganhar muito com a ciência. Só acho que outros conhecimentos, como aqueles que o professor adquire com sua prática, não podem ser desprezados. O paralelo com a medicina é interessante. A medicina baseada em evidências apregoa que o médico deve basear sua conduta e suas prescrições nos dados científicos. O problema é que muitas vezes os dados são contraditórios e mesmo que se façam meta-análises, é impossível tais dados dizerem o que o médico deve fazer em um caso específico. Quem trabalha na clínica, assim como na escola ou na universidade, lida com pessoas e não com médias. Neste sentido, os dados podem até fornecer um norte, mas a prática do médico ou do professor precisa ser levada em consideração na construção de políticas e práticas. Com tudo isto quero dizer que a ciência, que se propõe universal, tem limites claros, especialmente quando falamos de casos e culturas particulares. Acho difícil, no caso da educação, falar em práticas universalmente efetivas. O que funciona em um lugar não necessariamente funcionará em outros, o que funciona para uma pessoa não necessariamente funcionará para outra. No que diz respeito às questões humanas qualquer universalidade é perigosa pois corre-se o risco de ignorar as singularidades. É isso que quero dizer quando critico a ideia de que a ciência pode salvar a educação - especialmente porque quando se fala isso refere-se normalmente às chamadas ciências naturais e não às ciências humanas. Pois as ciências humanas já estão na base da nossa educação. A proposta que vem se disseminando é substituir as teorias e práticas baseadas nas ciências humanas por teorias e práticas baseadas nas chamadas ciências "duras". E isto eu não concordo. Acho que as duas ciências devem dialogar.

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Sobre as críticas à redução da maioridade penal

Quando li a notícia de que a redução da maioridade penal foi aprovada em uma comissão na câmara dos deputados, e também quando me lembro de que quase 90% da população brasileira aprova tal mudança, fico pensando que nós, os críticos de tal medida, não estamos sendo suficientemente convincentes. Do contrário, certamente haveriam muito mais pessoas na câmara protestando contra tal aprovação e haveria um clima geral de oposição. Na realidade, quer queiramos quer não, os deputados contam com amplo apoio da população e isso dá grande legitimidade para suas ações. Mas fico pensando nos porquês, o que me leva à seguinte questão: o que eles têm? Bom, o que eles tem como argumentos são imagens e notícias. Imagens e notícias de jovens assassinos. Imagens e notícias de crianças e adolescentes que cometeram assassinatos à sangue frio. Eles tem o medo que isto desperta. E o que nós temos? Nós temos estatísticas. Nós temos estatísticas de que somente uma ínfima minoria dos jovens infratores cometeram assassinatos. Nós temos estatísticas de como os países que reduziram a maioridade penal não diminuíram seus índices de criminalidade. Nós temos estatísticas de que os índices de reincidência nas prisões são altos, etc. Nós temos estatísticas demais. Mas não temos imagens ou notícias impactantes. E tendo em vista que não somos seres simplesmente racionais, que tomam decisões e formam opiniões baseados no cálculo frio de prós e contras, talvez estejamos utilizando das táticas erradas de convencimento. Talvez precisemos mais de imagens e notícias, que atinjam as emoções da população, do que de estatísticas frias que dizem muito mas impactam pouco. Da mesma forma que alguns estudos de psicologia demonstraram ser mais fácil convencer uma pessoa a ajudar uma organização filantrópica fazendo-a acreditar que estão ajudando na verdade uma única pessoa (o Joãozinho) e não toda uma população, talvez o que estamos precisando é mais de casos convincentes do que de números frios. Talvez, apenas talvez.

Sobre a gestão da vida virtual

Uma habilidade fundamental em nossos tempos é a gestão da nossa cada vez mais atribulada vida virtual, tendo sempre em vista que a separação entre esta e tal "vida real" não é nada nítida ou exata. Publicar uma comentário absurdo, equivocado e/ou preconceituoso e, depois de receber críticas, dizer que foi "só um comentário de Facebook" só demonstra que a pessoa não entende que a separação real/virtual não é mais tão clara como há alguns anos. O que dizemos nas redes virtuais é real e tem consequências reais. Por isso, temos que pensar bastante antes de sairmos por aí dizendo tudo o que se passa por nossa cabeça - especialmente coisas desnecessárias ou que possam prejudicar e ofender outras pessoas. É claro que, teoricamente, qualquer comentário pode ofender outra pessoa, mas isto não significa que devamos ofender intencionalmente pessoas e grupos, especialmente aqueles que já são cotidianamente ofendidos. Obviamente, o ideal seria que nós seres humanos não tivéssemos pensamentos absurdos, equivocados e preconceituosos e nem precisássemos nos controlar para não expressá-los, mas aí eu estaria sendo ingênuo. Nós, seres humanos, não somos só bondade, nem só maldade. Somos anjos e demônios. Mas a vida em sociedade implica, como bem alertou Freud em seu Mal-estar na civilização, que tentemos manter nossos demônios, ou pelo menos uma parte deles, guardados. Se expressássemos tudo o que pensamos e achamos sempre - e, especialmente se fizéssemos tudo o que temos vontade -, a vida em sociedade seria impossível. A mentira, ou no mínimo a omissão, é necessária para as relações sociais - como bem demonstra o filme A invenção da mentira. Portanto, devemos tomar todo o cuidado possível em nossas expressões públicas, reais ou virtuais. Alguns chamam isso de "patrulha do politicamente correto". Eu prefiro chamar de "viver em sociedade".

quinta-feira, 7 de maio de 2015

“Relatos selvagens” e a animalidade humana

O filme argentino Relatos selvagens – que concorreu ao Oscar 2015 de melhor filme estrangeiro - é composto por seis histórias independentes que tem em comum a temática do descontrole (e pare de ler aqui caso não queira saber pormenores da trama). Na primeira história, que abre o filme, um piloto e músico frustrado reúne em uma avião todas as pessoas que em algum momento o magoaram ou o rejeitaram com o objetivo de derrubá-lo com todos dentro - e em cima da casa de seus pais!. Assim tem início o filme, que durante os créditos iniciais exibe uma série de fotos de animais, sinalizando – o que será confirmado no restante do filme – que nós também somos animais. E é sobre esta animalidade, que por vezes faz com que nos comportemos de forma exagerada ou descontrolada, de que tratam as histórias que se seguem.

A segunda história expõe o caso de uma garçonete que atende no meio da noite o homem responsável pelo declínio de sua família e pelo suicídio de seu pai. Já a terceira história, hilária, narra uma série de incidentes que acontece quando o pneu do carro de um homem fura em uma estrada deserta. A quarta, que é protagonizada pelo ator-ícone do cinema argentino Ricardo Dárin, conta a triste história de um perito em demolições que tem sua vida “demolida” após seu carro ser guinchado injustamente enquanto buscava o bolo de aniversário da filha - o que leva o personagem a uma série de situações que fogem totalmente ao seu controle. Há ainda a história de uma família cujo filho atropela e mata uma mulher grávida. Finalmente, a última história – a melhor e mais bizarra – retrata uma festa de casamento que dá absurdamente errado após a noiva descobrir que seu futuro marido a traiu com uma das convidadas. O que acontece a partir desta descoberta é surreal – e hilário.

Em todas estas histórias, as pessoas se comportam em algum momento de forma irracional, impulsiva, fazendo escolhas que não fariam racionalmente. Isto só evidencia algo óbvio para mim: nós seres humanos não somos seres racionais, ou melhor, não somos seres puramente racionais. Nossas escolhas são feitas sempre – ou quase sempre – num caldo de razão e emoção no qual não é possível distinguir onde começa uma e termina a outra. Somos seres emocionais que fazemos escolhas baseando-nos não somente em um cálculo frio de prós e contras, mas também em paixões, afetos, desejos e impulsos. Como bem apontou o economista Eduardo Giannetti da Fonseca no excelente livro “O valor do amanhã” vivemos num permanente oscilar entre aproveitarmos o momento e fazermos o que desejamos agora e planejarmos o futuro, abrindo mão, no presente, de algumas atitudes. 

Às vezes cedemos às tentações do presente e fazemos aquilo que desejamos mesmo que isto traga ou possa trazer conseqüências no futuro; e em outras vezes conseguimos nos controlar, reprimindo aquele lado animal que insiste em se manifestar. Sem este lado repressor, que Freud chamou de Supereu, a vida em sociedade não seria possível. Se déssemos vazão todo o tempo os nossos desejos sexuais e impulsos agressivos – com o fazem muitos personagens de Relatos selvagens – a vida em comum seria impossível. Por outro lado, se nunca manifestarmos ou “colocarmos para fora” – ou ainda sublimarmos, como diz Freud – a vida em comum também se torna difícil. Um “barraco”, de vez em quando, não faz mal a ninguém. O descontrole, se moderado, pode até fazer bem. 

Outra questão é se de fato controlamos a nossa vida e os nossos comportamentos. Psicanalistas provavelmente diriam que não, ou pelo menos não totalmente. Afinal, se grande parte da vida psíquica se dá abaixo do limiar da consciência, não faz sentido falar propriamente em controle. Da mesma forma, mas por motivos diferentes, behavioristas provavelmente diriam que o controle que temos de nossos comportamentos e de nossas vidas é limitado. Alguns neurocientistas contemporâneos, inclinados ao reducionismo, iriam além e negariam completamente nosso livre-arbítrio, argumentando que quem está no controle, efetivamente, é o nosso cérebro – e não nós (mas se, como alguns argumentam, “nós somos o nosso cérebro” então isso quer dizer que nós estamos no comando?). De toda forma, acho bastante pertinente a idéia de que não temos total controle de nossas ações - veja bem, eu disse total, porque algum grau de controle nós certamente temos, especialmente quando dizemos não à algo que desejamos. De toda forma, tenho certeza que todos já tomaram atitudes que se arrependeram depois. Só espero que o nível de descontrole não tenha chegado – e não chegue no futuro – ao nível de alguns dos casos expostos no filme Relatos Selvagens. 

Sobre a nostalgia

Se tem uma coisa que não suporto é nostalgia. Na verdade, não tenho nada contra aquela nostalgia "do bem" que sentimos quando nos lembramos de um momento bom que passou ou de uma pessoa que se foi. O que me incomoda é a nostalgia do tipo "no meu tempo é que era bom". Esse tipo de nostalgia, que está na base de muitos pensamentos conservadores que vejo por aí, coloca o presente sempre como algo inferior, quase como uma sombra ou um esboço malfeito de um passado idealizado. Aposto que no tal tempo em que a pessoa se refere as pessoas - e talvez ela própria - diziam a mesma coisa e colocavam a "felicidade" ou a "ordem" ou " pureza" em algum lugar, ainda mais distante no passado. Simplesmente não suporto quando ouço, ou leio, ou vejo, pessoas dizendo que no "seu tempo" as coisas eram melhores. Em alguma medida elas podem até ter razão ao afirmar que as coisas eram diferentes de hoje. Mas isto não significa que o mundo e as relações eram melhores. Não que o mundo hoje seja perfeito. Pelo contrário, vejo tanta coisa errada que nem saberia por onde começar a listar os seus problemas. Mas o mundo é o que ele é e o tempo segue para frente. Desejar um retorno a um passado idealizado onde tudo - teoricamente - funcionava e onde as relações eram mais simples e menos "líquidas" é de uma ingenuidade sem tamanho. Isto não significa, contudo, que as mudanças não são possíveis. Pelo contrário, significa que as mudanças ocorrerão de formas imprevisíveis a partir do presente e em direção a um futuro que não sabemos exatamente como será e não como um retorno a um passado. Como diria o mestre Georges Canguilhem, em sua brilhante análise dos processos de saúde e doença, "a vida não conhece reversibilidade". E é por isso, que segundo o autor, não devemos falar em cura como um retorno à uma “inocência orgânica”, mas como um rearranjo, uma nova forma de vida. Curar-se não é voltar ao que se era mas sim desenvolver uma nova forma de ser. Portanto, se desejamos "curar" o mundo devemos caminhar para frente e não para trás.

terça-feira, 5 de maio de 2015

"Entre abelhas": uma metáfora da depressão


"Entre abelhas" é um filme muito interessante - e não leia o restante deste post caso não queira saber pormenores da trama. Quem olha seu cartaz, que tem o Fábio Porchat segurando uma cadeira vermelha, e vê que o diretor é o Ian SBF, um dos principais diretores do Porta dos Fundos, logo pensa que se trata de uma comédia. Assim eu pensava quando entrei na sala de cinema. Eu não podia estar mais enganado. "Entre abelhas" é um drama, um interessante drama com pitadas de suspense, escrito numa parceria entre Ian e Fábio.

Sem revelar nada muito significativo, o filme conta a história de Bruno, um editor de videos recém separado que subitamente passa a ser acometido por uma estranha "síndrome" que o faz deixar de ver algumas pessoas - que se tornam literalmente invisíveis para ele. Embora se assemelhe a "Ensaio sobre a cegueira" em alguns aspectos (uma síndrome misteriosa desencadeia uma cegueira), "Entre abelhas" segue por um outro caminho: não se trata de uma praga que se espalha, mas de um problema que acomete única e exclusivamente Bruno. Só ele deixa de ver. E somente algumas pessoas. A partir daí o protagonista, interpretado por um excelente e surpreendente Fábio Porchat, passa a investigar o que pode estar acontecendo com ele. Para tanto procura a ajuda de médicos e psicólogos que, como tantas vezes acontece na vida real, não conseguem identificar e entender o que ele tem. 

Sem entrar em pormenores, considero o filme uma interessante metáfora da depressão, condição (prefiro não chamar de doença) no qual o sofrimento por vezes torna-se tão intenso que é como se o mundo e as pessoas não mais existissem. Imerso em seu próprio sofrimento, o depressivo não consegue olhar além de si. Este é exatamente o caso de Bruno. Recém-separado de sua esposa, com quem viveu alguns anos, o personagem encontra-se num doloroso processo de luto. E é justamente no meio deste turbilhão que tem início a sua cegueira. A situação de Bruno também pode ser interpretada como uma metáfora da solidão nas (grandes ou pequenas) cidades, nas quais as pessoas são, de certa maneira, invisíveis umas para as outras - o filme argentino Medianeras também trata desta questão com muita sensibilidade. 

Posso estar viajando, mas vejo múltiplas interpretações para o enredo do filme. E quando isto acontece é ótimo. "Entre abelhas" não é um filme para as massas, exatamente por deixar abertas muitas questões (inclusive seu final) e por conduzir a história de uma forma muito mais lenta que a usual no cinema comercial brasileiro. Li relatos de que muitas pessoas saíram no meio do filme, absolutamente decepcionadas, e acho este um ótimo sinal de que se trata de um filme atípico - e que, justamente por isso, merece ser visto. Filmes nos quais as pessoas saem no meio são muitas vezes aqueles que geram algum incômodo e que trazem alguma reflexão para além do entretenimento momentâneo. "Entre abelhas", apesar de não ser propriamente uma obra-prima, faz pensar. E só por isso, merece muitos elogios.