quarta-feira, 23 de julho de 2008

Mercado de Trabalho na Psicologia - “E Agora, José?” Os caminhos pós-formatura em questão!

Assim que pegamos o diploma nos tornamos, com raras e honrosas exceções, psicólogos desempregados. Passamos, em um segundo, de elite intelectual a problema social. Surgem, então, as perguntas: E agora, o que fazer? Que caminho seguir? Há várias opções, mas o essencial é lembrar-se que “para quem não sabe para onde vai, qualquer caminho serve”. Reflita bastante, converse com veteranos e profissionais, pese prós e contras de cada caminho e então escolha aquele que lhe parece mais adequado. Com este artigo pretendo discutir os caminhos possíveis para o recém-formado que deseja manter a relação com a psicologia. Falo isso porque o “adeus às armas” (abandono da profissão) é alto. Pesquisas apontam que, voluntária ou involuntariamente, entre 15 e 30% dos psicólogos formados não atuam ou nunca atuaram na profissão. Muitos consideram a psicologia apenas um conhecimento relevante para a vida, outros largam a profissão por motivos pessoais (casamento, filhos, etc), outros não conseguem trabalho, ganham mal ou não se satisfazem com o fazer psicológico e acabam por mudar de área, etc. Enfim, muitos são os motivos para abandonar a psicologia. Àqueles que pretendem resistir até o fim, escrevo este artigo.

Após a formatura alguns optam pelo aprofundamento dos estudos em algum programa de pós-graduação (especialização/ residência ou mestrado). Para seguir este caminho algumas ações são necessárias, principalmente no que se refere à escolha do tema, do orientador e da universidade ou instituto de pesquisa. No caso do mestrado, a elaboração de um pré-projeto de pesquisa é fundamental. Saber inglês também. Para maiores informações sobre esta possibilidade pós-formatura recomendo o livro “Os caminhos para a Pós-Graduação”, de João Vicente Zampieron e Sônia Lúcia Modesto Zamperion (Editora Livraria da Física, 2004).

Outra possibilidade é tentar a sorte no mercado de trabalho. Por esta via há fundamentalmente dois caminhos: tornar-se autônomo ou assalariado. O primeiro caminho está cada vez mais difícil e o mercado extremamente saturado, mas muitos recém-formados optam por ele em função, principalmente, do desejo de atuar na área clínica: uma das poucas situações em que o psicólogo sente-se realmente um Psicólogo, infelizmente. O recém-formado subloca, então, um consultório particular e de cara esbarra em inúmeras dificuldades e reveses: falta de clientes, de experiência, baixo retorno financeiro inicial (e, em vários casos, posterior), etc. É uma luta diária contra a instabilidade da atuação autônoma, mas para quem ama o trabalho clínico, pode valer muito à pena encarar o desafio. Afinal, qual caminho é isento de riscos?

Mantendo em parte esta instabilidade, o segundo caminho - a busca por um emprego - é, atualmente, a melhor possibilidade de inserção do psicólogo no mercado de trabalho. A psicologia torna-se, cada vez mais, uma prática institucionalizada e voltada, predominantemente, para a área organizacional. Por esta via há também dois principais caminhos: o privado e o público.
Com relação ao primeiro algumas dicas preciosas são: elabore um currículo atraente e não-padronizado, o distribua em empresas e consultorias de RH e cadastre-o em sites de emprego (Cathos, etc); fique bastante atento à seção de classificados dos jornais de sua cidade, mas não espere a divulgação de um anúncio, continue distribuindo seu currículo. Muitas empresas só descobrem que precisam de um psicólogo quando um bate à porta. Fique atento também a processos trainee. E, claro, prepare-se para o processo seletivo...
O segundo caminho, o público, é especialmente recomendado para recém-formados sem experiência profissional (normalmente exigida em seleções de empresas privadas) e sem QI (o hiper-disseminado “quem indica”). O concurso público ainda é a forma mais democrática e justa de seleção de candidatos (obviamente há exceções, principalmente na esfera municipal), pois oferece a todos a mesma chance de conseguir uma boa vaga, sem restrições de nível social, etnia, opção sexual, idade e sexo. O que conta é, primordialmente, o mérito na avaliação. Além disso, há a possibilidade de estabilidade profissional (após 3 anos de trabalho), bem como de um bom salário, boas condições de trabalho e um bom plano de carreira, principalmente na esfera federal. A seguir listo uma série de recomendações bem práticas e mastigadinhas que aprendi, por tentativa e erro, durante meu relativamente curto período como “concurseiro profissional”:
1- Informe-se sobre os concursos em andamento e àqueles programados para serem lançados. Algumas opções para isto são: comprar e ler o jornal Folha Dirigida, assinar o site deste mesmo jornal (www.folhadirigida.com.br) e pesquisar na seção Boas Oportunidades, ou então entrar nos sites www.pciconcursos.com.br ou www.redepsi.como.br (nenhum tão completo e prático quanto o da FD). Há também uma comunidade no Orkut denominada Concursos em Psicologia. Vale tudo para se manter atualizado!
2- Escolhido(s) o(s) concurso(s) a ser(em) realizado(s), leia todo o edital. Isto é essencial, pois nele estão todas as informações importantes sobre o concurso: o número de vagas; o vencimento ou remuneração, o período e o preço da taxa de inscrição, a data da prova, o prazo de validade do concurso, o prazo para recursos contra o gabarito e contra o resultado, a matéria da prova, etc. Além disso, é importante observar se o concurso é somente de provas ou de provas e títulos, se exige experiência profissional (hoje, por lei, o máximo que pode ser exigido é 6 meses) e se as vagas estabelecidas são para contratação imediata, contratação temporária ou para cadastro de reserva. OBS: a maioria dos concursos de psicologia (que não tem sido poucos) não tem exigido nem experiência nem titulação. E isto é ótimo!
3- Matricule-se em um curso preparatório (público ou privado) ou, se for muito, mas muito disciplinado mesmo, estude por conta própria. Para a maioria das pessoas aconselho procurar um curso preparatório. Os professores, se bons, fazem toda a diferença na memorização do conteúdo programático e na resolução de eventuais dúvidas. Pesquise bastante antes de se matricular em um destes cursinhos: neste meio há, como em quase tudo na vida, muita propaganda enganosa. 
4- Estude com afinco as seguintes matérias (que são aquelas cobradas na maioria dos concursos): português (gramática e interpretação de texto), matemática e raciocínio lógico, atualidades e conhecimentos gerais, informática e noções de direito (constitucional e administrativo, principalmente). É o estudo destas disciplinas que, no final das contas, fará a diferença na classificação ou não em algum concurso. Obviamente não deixe de estudar psicologia, mas invista bastante do seu tempo nas disciplinas acima citadas. E cuidado na hora de comprar as apostilas de estudo: tem muita porcaria no mercado. Outra coisa: faça exercícios, muitos exercícios. Faça principalmente provas de concursos anteriores. É muito importante conhecer o estilo da banca examinadora. Este é, não espalhem, o pulo do gato!
5- Quanto ao estudo de psicologia, programe-o a partir da bibliografia divulgada junto ao edital. Somente se não houver indicação de bibliografia (o que não é incomum) estude a partir dos temas. O fato é que na psicologia não há consenso sobre quase nada: o que um autor defende o outro nega. Portanto, é fundamental conhecer as idéias e posições dos autores especificados na bibliografia oficial. Em qualquer caso, vale a pena, como complemento aos estudos, baixar e fazer provas de psicologia na internet. Existem também dois livros com questões reunidas e, no primeiro caso, comentadas: Psicologia – 500 questões com gabarito comentado (Luciana Castro, Ed. Campus) e Psicologia – Coletânea de Provas (Ed. Degrau Cultural). O primeiro pode ser encontrado ou encomendado em livrarias da cidade (Vozes, Liberdade, etc.), enquanto o segundo somente no site da Livraria Dirigida (www.livrariadirigida.com.br).
6- Tenha calma e peça calma a seus pais ou parentes: normalmente leva tempo para passar em um concurso público e conquistar a tão esperada independência financeira. O tempo médio para aprovação no Brasil é de cerca de 2 anos e três meses (mas não se assuste pois esta é a média e sem dúvida existem aqueles que demoram 10 anos como há aqueles que passam de cara). De qualquer forma, vale a pena seguir o mantra dos concurseiros profissionais: não estude para passar, mas sim até passar. Se não pensar assim você só vai se frustrar, pois uma coisa que aprendi é não subestimar a concorrência. A dolorosa verdade é que tem gente estudando a muito mais tempo que você e normalmente são poucas vagas em jogo (ainda mais para a psicologia). Basta portanto, 2, 3, no máximo 5 pessoas melhores que você para que você não passe. E uma recomendação: não vá com muita sede ao pote. Faça todos os concursos que puder, porém dê atenção especial a concursos menos concorridos (e, logicamente menos remunerados), pois, quanto maior o salário prometido maior a concorrência. E quanto maior a concorrência, menores são as suas chances. Não estou lhe menosprezando, acredite, estou sendo realista. Assim, se você quiser ganhar R$5.000 em seu primeiro emprego talvez demore um bom tempo; mas se o salário de R$1.500 (mais comum) lhe é razoável, talvez você passe mais depressa. A verdade é que temos a vida pela frente e este emprego será somente o primeiro degrau de uma longa escada. Tentar chegar ao topo de cara pode lhe render um belo tombo (ou vários).
Em qualquer caso, esteja disposto a mudar de cidade. 
Bem, espero que estas dicas lhes sejam úteis. Narcisicamente, espero também que eu esteja trabalhando quando estas palavras forem lidas. Em junho passei em 2 concursos e estou esperando ser chamado. Assim que puder escrevo contando como é trabalhar como psicólogo. Até mais....

42 comentários:

  1. Felipe,

    gostaria que vc me mandasse as provas de psicologia que mencionou no artigo. meu e-mail é lcn.vasconcellos@gmail.com

    obrigada.

    ResponderExcluir
  2. Olá Felipe!

    Adorei seu artigo.Sou recém- formada e atualmente pretendo dedicar a concursos públicos. Desejo receber as provas de psicologia.
    Obrigada e boa sorte na vida.
    Aguardo breve retorno.
    Meu e.mail é ismenia_britto@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  3. olá felipe gostei muito do texto ,gootaria que se possível me enviar as provas de psicologia .e-mail=psdeise@yahoo.com.br ,obrigada ,DEISE

    ResponderExcluir
  4. Ola Felipe
    Obrigado por passar estas experiências que são de grande valia, e reconhecimento pelo seu esforço e dedicação. Gostaria de saber como o mercado de trabalho para os psicologos irá se comportar no decorrer dos próximos anos? Favor enviar informações, provas pois estou me preparando para provas. Email: hubrick@ig.com.br, muito obrigado

    ResponderExcluir
  5. olá gostei muito do que li, gostaria de receber as provas, obrigada. dany.xavier@oi.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá Felipe,
    Estou quase formando e gostaria de receber as provas, pois, quero começar a estudar. Email juniorozeas@hotmail.com
    Obrigado

    ResponderExcluir
  7. Felipe,

    Por favor gostaria que vc me enviasse as provas de psicologia que mencionou no artigo. Meu e-mail é celiarmc2@gmail.com

    Obrigada desde já...

    ResponderExcluir
  8. Oi Felipe,
    Por gentileza, gostaria de receber as provas, quero prestar concurso público:
    le.uehara@yahoo.com.br

    grata,

    Alessandra

    ResponderExcluir
  9. ola Felipe parabéns pelo site e pelas informações disponibilizadas atodos nós. gostaria de receber as provas para estudo. meu e-mail é rogerioentreportes@hotmail.com. desde já muito obrigado!!!

    ResponderExcluir
  10. Olá....encontrei seu blog a pouco e estou adorando os posts.
    Sou estudante de psicologia no último ano e já estou neste dilema, na verdade estou começando a ficar apavorada...rs
    Obrigada pelas dicas e parabéns pelo excelente blog...

    ResponderExcluir
  11. Olá Felipe,

    Parabéns pela excelente matéria, pela iniciativa e sensibilidade de compartilhar conosco, recém formados em psicologia,as angústias de nos deparar com a difíl realidade do mercado de trabalho. Eu, também, pretendo seguir a carreira pública, me mande , por favor, as provas que vc mencionou no texto. meu e-mail é: rodolfopsico@yahoo.com.br

    Obrigado!

    ResponderExcluir
  12. Olá Felipe,

    achei interessante o q vc escreveu pois dá uma idéia geral do que temos q enfrentar e o modo como podemos fazer isso. Eu gostaria q vc me enviasse as provas q mencionou, e se tiver mais algum material pode me enviar tb. Meu e-mail é n.oliveira07@gmail.com.

    Desde já agradeço,
    Nathália Oliveira

    ResponderExcluir
  13. Olá Felipe,
    Muito oportuna rica são reflexões como esta. Parabéns! Gostaria de receber, se possível, as provas, pois também pretendo seguir carreira pública.
    Meu e-mail: mirianbsa@ig.com.br

    ResponderExcluir
  14. Olá Felipe, parabéns pelo Blog! É sempre bom ouvir que outras pessoas também passam pelos mesmos conflitos! Vc poderia me enviar as provas para meu email? danisouzahiga@yahoo.com.br. Bjos, Daniela

    ResponderExcluir
  15. Boa tarde, Felipe!
    Estou me formando e começando a me preparar para concursos. Gostaria de receber as provas que comentou no artigo!

    email: bru_seixas@hotmail.com

    Att,

    Bruna

    ResponderExcluir
  16. Olá, Felipe.
    Acredito que nós, psicólogos, sempre quisemos ouvir de alguém as palavras que você descreveu no artigo. Ótimo, só tenho a agradecer por estas dicas de sua experiência. Eu estou no caminho certo, mas achava que poDeria estar enganada..rs.
    Gostaria que me mandasse o e-mail com questões de provas, por favor. Pode enviar para cristiane.psico@yahoo.com.br
    Muito obrigada!
    Cristiane

    ResponderExcluir
  17. Oi Felipe!!

    Gostei muito do que voce escreveu!
    Me sinto muito angustiada com o futuro na psicologia, me formo no final do ano! Que bom que você conseguiu passar nos concursos! Espero um dia conseguir, assim como voce! Parábens!
    Pode me mandar as questoes?
    oigabao@yahoo.com.br

    abraço

    ResponderExcluir
  18. Suas dicas são bem legais, principalmente para mim, futura psicóloga que com toda certeza precisará estudar bastante para alcançar meu tão desejado lugar.
    É sempre bom saber que outras pessoas também são humanas, e apesar de já serem graduados e estarem em processo de ascensão da vida acadêmica também passaram e passam pelas angústias que os recém-chegados sentem.

    ResponderExcluir
  19. Oi Felipe!!

    Gostei muito do que voce escreveu!
    Tenho interesse na área dos concursos ...
    Pode me mandar as questoes,por favor?
    annapsampaio@hotmail.com

    ResponderExcluir
  20. Olá Felipe...
    muito bom o que escreveu, tenho interesse nesta área, penso em me formar em psicóloga, este ano irei prestar vestibular para o curso de psicologia e gostaria muito de sua ajuda, para conhecer um pouco mais sobre o curso.

    Este é meu e-mail:
    sil-mara-fernanda@hotmail.com

    Beijos

    ResponderExcluir
  21. Olá Felipe,

    gostaria que vc me mandasse as provas de psicologia que mencionou no artigo.E o que mais puder. Desde já agradeço.
    Meu e-mail é taisa.joele@hotmail.com

    ResponderExcluir
  22. Importantes dicas.
    Por favor, gostaria de receber as provas também.
    adriano_bergantin@yahoo.com.br

    Obrigado.

    ResponderExcluir
  23. Olá Felipe;
    Muito obrigado pelas suas dicas e recomendações...
    Gostaria de receber as provas de psicologia que você mencionou no artigo. Você me faria esse favor?
    Segue meu e-mail: flaviatougeiro@gmail.com

    Grata;

    ResponderExcluir
  24. Não sou recém-formada, mas sim recém-desempregada. rs Fiz pós-graduação e e em seguida consegui um emprego formal como psicóloga clínica. Fiquei na empresa 3 anos. Como o trabalho é especializado, difícil conseguir me recolocar e como tive que largar o consultório particular quando consegui o emprego, estou recomeçando. Por essa razão seu texto caiu como uma luva para mim. Obrigada!

    ResponderExcluir
  25. Olá, Felipe!
    Sou recém formada em Psicologia e descobri o seu blog por acaso. Achei muito útil o que escreveu. Ao mesmo tempo, o panorama de mercado para quem se forma em Psicologia parece bem desanimador! A impressão que fica é que em qualquer área que optarmos – seja clínica, empresa pública ou privada – o campo estará difícil e muito concorrido!
    Assim que formei, eu comecei a tentar seleções para trabalhar em empresas. Mas logo me desanimei, devido à grande concorrência e aos baixos salários! Dessa forma, comecei a prestar concursos. No entanto, a cada concurso que faço, tenho ficado ainda mais frustrada! Afinal, o conteúdo de cada prova é extremamente diverso, a maioria dos concursos não cita a bibliografia a ser estudada e, apesar de eu ter estudado numa universidade que se diz conceito A (UFMG), muita coisa do que tem caído nas provas eu nunca nem ouvi falar!!!
    Assim, estou extremamente frustrada com a nossa profissão e a minha formação...
    De todo modo, se possível, gostaria que você me enviasse o material de que dispõe, pois uma coisa é certa: não dá para ficar parada lamentando esse triste panorama. O meu e-mail é cristaldesenna@yahoo.com.br
    Agradecida,
    Cristal

    ResponderExcluir
  26. GOSTARIA QUE VC MANDASSE AS PROVAS DE PSICOLOGIA MENCIONADAS NO ARTIGO lepaazevedo@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  27. Estava quase desistindo de pisiclogia ler este blogger me incentivou bastante a continuar e que veham mais e mais atualizaçoes.........obr

    ResponderExcluir
  28. Olá! Belo post, parabéns! Sou de Natal-R, estou no 8o período e também estou começando a estudar e fazer concursos na área, ainda que com a dura missão de também não perder a possibilidade de entrar para o mestrado. Se tiver algum email para contato podemos nos comunicar no bcf_george@hotmail.com

    Tenho interesse nas provas que vc citou. Obg. Abraços!

    ResponderExcluir
  29. Pode me mandar as provas?
    thaly_ruanna@hotmail.com

    ResponderExcluir
  30. OLá Felipe, me identifiquei muito com o que escreveste. Vivencio esta fase também... pós formatura e seus desafios. Desejo-lhe muito sucesso e conquistas. Gostaria de pedir também as provas, se puderes enviar. Agradeço desde já a gentileza. Abraços.
    Meu e-mail: rosicleia.pauletti@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  31. Olá, tbm gostaria de receber as provas.
    Meu e-mail: raysa.tenorio@hotmail.com
    Seria bom um novo post sobre como vc se encontra atualmente, se está assumindo o cargo em algum concurso, enfim... Sucesso!

    ResponderExcluir
  32. Daniela.
    Parabens...adorei as dicas, obrigada
    se puderes me enviar provas para estudos danicomin@gmail.com.

    sucessooo

    ResponderExcluir
  33. Muito legal esse blog! Realmente, é muito complicado trabalhar de forma autônoma, ainda mais quando você tem que abrir consultório, bancar todos os custos, conseguir cliente, e por aí vai...

    Aqui em Brasília acabaram de lançar um site com um conceito bem bacana, de atendimento em domicílio. Ainda tá na fase de cadastramento, mas acho que é uma boa pra quem quer trabalhar como autônomo. O legal é que não precisa pagar pra cadastrar e vc pode escolher seus horários disponíveis pra atender. Daí quando o paciente quiser contratar um psicólogo, ele pode te achar lá nas buscas.

    O site é www.profissionalemcasa.com.br , pra quem se animar.

    ResponderExcluir
  34. Felipe, gostei bastante do seu texto e me identifiquei muito. Infelizmente, apesar de muitas opções apresentadas, ainda me sinto perdida pois não tenho perfil organizacional e não tenho apoio financeiro para me dedicar aos estudos para concurso. É uma pena que a saúde no Brasil seja tão desvalorizada e que os psicólogos ainda sejam encarados como "coisa de maluco".
    Lembrei de um livro que li recentemente: "Cartas a um Jovem Terapeuta", do Contardo Calligaris. Acho que todos que desejam apostar na Psicologia devem ler esse livro. Se eu mesma o tivesse lido, talvez não teria tantas expectativas ao me lançar na vida profissional.
    Abraços, e boa jornada!

    ResponderExcluir
  35. Medo de cursar psicologia e não conseguir emprego :/

    ResponderExcluir
  36. Nossa, um curso super caro, de 5 anos e pra depois não conseguir emprego ou receber misero salário?! Fiz meu teste com uma psicóloga pra saber qual meu perfil profissional, e ela falou que eu deveria escolher um curso que não fosse só bonitinho, mas que também tivesse mercado, pois segundo ela, se não fosse os pais dela a terem sustentado-a , e terem ótimas condições, ela estaria na pior, assim como muitas amigas de classe dela. Hoje ela é concursada na prefeitura de uma cidade pequena ao lado, ganhando menos que 3 salários mínimos e ainda dá aulas num cursinho técnico, com matérias de psicologia organizacional, pra complementar a renda. Detalhe, minha consulta foi 3 vezes de R$50,00 até por que , tem um outro psicologo aqui, que cobra 700,00, e até onde sei, ele tá quase entregando a sala da clinica que alugou.
    Muito desmotivador, saber que além de pagar altas mensalidades, o mercado quase não dá oportunidades pra quem não tem experiência.
    É, melhor estudar e pegar meu diploma de algo que me dê pelo menos um retorno em curto prazo, e depois travalhando fazer meu curso.
    Boa sorte a quem se ingressa nesta jornada!

    ResponderExcluir
  37. Estou oferecendo oportunidade de supervisão em Gestalt-Terapia e atendimento em consultório em SBC para psicólogos recém formados ou sem experiência que querem retomar atendimentos em clínica. Quem tiver interesse envie e-mail para lourdespossatto@uol.com.br

    ResponderExcluir
  38. Tambem pode lecionar no ensino fundamental e médio.

    ResponderExcluir
  39. Todas as profissões tem suas dificuldades, para se sair bem,precisa de responsabilidades para com pessoas que geralmente não estão bem, então verá vc se sair bem,na profissão, tem que ajudar o próximo.

    ResponderExcluir
  40. ME FORMEI A 3 ANOS, TRABALHEI 1 ANO NUMA CLINICA GANHANDO 1.500 P/MES, AGORA ESTOU DESEMPREGADO, E NAO CONSIGO NADA,, DE JEITO NENHUM,,, MEU CONSELHO, FUGA DA PSIC., TÁ SATURADA EM TODAS AS ÁREAS. VAI FAZER CULINÁRIA, QUE É MAIS VANTAGEM..

    ResponderExcluir
  41. Valeu, sou PEDAGOGA, mas a história é quase a mesma, sou formada em uma universidade de excelência mas mesmo assim ou você se submete a um salário ínfimo, ou presta concurso, que tem as mesmas características que você citou. Fui fazer concurso pensando que eu estava de boa, já que havia estudado tanto e em tantos anos e me dei mal. Estava desanimada, mas com seu texto, acho que subestimei a concorrência. Vou me dedicar, valeu!

    ResponderExcluir